Últimas Notícias
10/07/2015
REPÚDIO: Grupo Record segue demitindo para aprofundar terceirizações

Ao longo deste ano o Grupo Record segue implementando a política de redução do quadro de funcionários contratados em regime CLT e aprofundando a precarização das condições de trabalho por meio de contratações terceirizadas ou em regime de pessoa jurídica (a chamada 'pejotização') e outras formas de driblar a Lei do Radialista. Mapeamento realizado pela Fitert verificou pelo menos 433 demissões de radialistas no Grupo entre janeiro e junho deste ano em todo o país.

 

A última leva de demissões em escala aconteceu durante o 10º Congresso Nacional da Federação, quando 12 trabalhadores foram mandados embora na TV Record Brasília. Houve ainda novas demissões nesta semana. O Sindicato dos Radialistas do Distrito Federal (Sinrad-DF) questionou a empresa, a responsável pela área administrativa e financeira informou que as dispensas teriam sido motivadas pela retirada de um programa do ar, o que de fato aconteceu. Assim como no ano passado houve diversas demissões em razão do fechamento da Record News Brasília.  "O que tem acontecido muito também é a invasão da produção não profissional. As empresas solicitam que as pessoas, ouvintes e telespectadores, encaminhem para as redações mensagens de whatsapp em vídeo e transmitem esse material, preterindo os profissionais. Os radialistas e jornalistas estão sendo preteridos em detrimento de material enviado pela população, sem os critérios legais. E isso é reproduzido para a sociedade como material jornalístico. Além do aumento do acúmulo de funções, cada vez mais comum. Hoje é uma realidade em todas as empresas jornalistas fazerem suas reportagens e gravarem vídeos em seus celulares, até mesmo dentro do Congresso Nacional", aponta Marco Clemente, presidente do sindicato.
 

Em 2014, só em publicidade do governo federal o Grupo recebeu R$ 264 milhões, segundo levantamento publicado pelo blog do jornalista Fernando Rodrigues em junho. Além disso, os grupos de mídia receberam o benefício da desoneração da folha de pagamentos, reduzindo substancialmente a parcela patronal da contribuição previdenciária. 
 

 

Apesar disso, a coluna 'Notícias da TV', do jornalista Daniel Castro, noticiou no último dia 1º que o Grupo Record pretende reduzia folha de pagamentos em 8,75% sob as "justificativas" de queda na receita publicitária e aumento de custos com a contratação de Xuxa Meneghel. Em São Paulo, ainda segundo a coluna, podem ocorrer cerca de 60 demissões ainda neste mês. No RecNov, a central de estúdios no Rio de Janeiro, a emissora estaria planejando demitir 400 profissionais, de acordo com CastroE até o final do ano o jornalista aponta que deverão restar apenas 300 pessoas onde já trabalharam 2.500. 
 

O secretário de relações internacionais da Fitert e presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Comunicação de Goiás e Tocantis (Sindicom), Miguel Novaes, ressalta que "os meios de comunicação falarem em crise é conversa fiada, pois é nesse período que mais faturaram. Um exemplo disso é a Record Goiásque aumentou seu faturamento em 26% neste semestre. O problema é que os patrões só querem lucrar. Outro fator é tecnológico. As novas tecnologias estão roubando postos de trabalho". 

Organizar a luta e cobrar fiscalização aos órgãos oficiais

 

"É lamentável o que vem ocorrendo nas emissoras de televisão em todo o país. Devemos refletir e encontrar solução para o que vem acontecendo com nossa categoria, o desrespeito pelos profissionais aumenta a cada dia que passa, a impunidade e a morosidade nos órgãos fiscalizadores impera, o Congresso Nacional não tem compromisso com o povo, e os empresários em sua ganância capitalista selvagem visam apenas a garantir seus lucros a qualquer custo. Precisamos organizar os trabalhadores para lutar, defender nossos empregos, sem nenhuma redução salarial, em nome do bem do sistema", ressalta o coordenador da Fitert, José Antônio Jesus da Silva. 
 

Para o vice-coordenador da Federação e coordenador do Sindicato dos Radialistas da Bahia, Everaldo Santos Monteiro, a busca da intervenção dos órgãos fiscalizadores, como o Ministério Público do Trabalho, também deve ser uma prática dos sindicatos. "No estado da Bahia foram demitidos 25 trabalhadores da TV Record em dezembro de 2013. E vêm ocorrendo outras demissões, de forma esporádica, sempre de um a três trabalhadores com salários fora dos padrões que querem impor. Em alguns casos essas demissões têm o objetivo de obrigar os trabalhadores a se tornarem "empresas" (PJs), fugindo das responsabilidades fiscais e tributárias nos contratos. O caso da Record nos despertou uma preocupação para brecar um modelo que certamente seria aplicado por outros grupos da radiodifusão em outras emissoras do próprio grupo. Por isso remetemos o caso ao MPT, a fim de enquadrar os grandes grupos que enxugam suas folhas com demissões em massa, mesmo com a garantia de seu faturamento, e principalmente com os altos investimentos em verbas publicitárias públicas para o setor. Em alguns casos, como na Rede Globo, conseguimos assegurar algumas garantias para os trabalhadores afastados da empresa,  a exemplo da isenção do plano de saúde por seis meses e estabilidade para os trabalhadores prestes a se aposentarem ou em acompanhamento médico pelo período mínimo de três anos. Também conseguimos algumas reintegrações. Temos que intensificar a cobrança que fizemos na audiência com o Ministro do Trabalho, que se comprometeu a convocar as grandes redes para um acerto de contas". 

 

Demissões de radialistas no Grupo Record entre janeiro e junho de 2015*
 

DF - 26 na TV Record Brasília 

ES - 46 até 30/06 (em todo ano de 2014 foram 32) 

GO - 15 na TV Record Goiás 

MG - 9 demissões e quatro substituições (cinco postos de trabalho em aberto) 

PB - 12 somente em Campina Grande  

PI - 3 na TV Antena 10 

RJ - 268 (29 na TV e 239 no RECNOV) 

RS - 10 na TV e 1 na Rádio Guaíba 

SP - 47 somente no mês de junho nas cidades de Franca, Santos, São Paulo e Ribeirão Preto

* Em diversos estados jornalistas e outros trabalhadores também foram demitidos. Fonte dos dados: sindicatos filiados à Fitert.




Fonte: Da redação.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
« voltar 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 avançar »


SEDE - Brasília DF
SCS QD. 06 Bloco A, Nº 141, Edifício Presidente sala 206/208 - CEP: 70.327-900 - Asa Sul, Brasília/DF
Telefone:(61) 3963-1065